Acessibilidade digital para pessoas autistas

Que o mundo está cada vez mais digital é um fato, concorda com a gente? Mas será que as interfaces digitais têm sido desenvolvidas visando a inclusão de pessoas autistas? 

 

Uma solução web feita de forma inadequada para a inclusão de pessoas com autismo pode causar estresse, irritação, desconforto e ansiedade. Além disso, a má usabilidade e acessibilidade para esse público impedem que a pessoa use a internet com toda a gama de possibilidades que ela tem direito.

 

Andiara Cristina em seu artigo “Diretrizes de acessibilidade de interfaces digitais para pessoas com Transtorno do Espectro Autista: uma revisão integrativa de literatura” afirma que as condições de acessibilidade para todas as pessoas, desde o design da  tecnologia  até  sua  efetiva  implementação,  é  fundamental  para  garantir  o envolvimento  de  alunos  com  TEA.

 

Uma pesquisa realizada no ano passado pela BigDataCorp em parceria com o Movimento Web para Todos constatou que grande parte dos aplicativos Android mais populares no Brasil falha em quesitos básicos de acessibilidade. Em média, menos de 14% das imagens desses apps estão descritas e menos de 11% dos seus botões estão rotulados adequadamente.

 

Algumas medidas podem ser colocadas em prática na construção de de sites e aplicativos, são elas: 

  • Uso de interfaces mais simples
  • Representação das informações em mais de um formato
  • Não usar cores muito saturadas e sons que possam perturbar 
  • Evitar imagens sem descrição
  • Investir em ferramentas de audiodescrição

 

Além disso, é muito importante incentivar também a mobilização de empresas, organizações, profissionais através de oficinas, debates, estudos e outras ações que proponham novas soluções da acessibilidade digital.

 

Inclusive, você sabia que está em análise na Câmara dos Deputados e das Deputadas um projeto de lei que prevê penas mais claras para organizações que têm sites sem acessibilidade? Pois é! 

 

Esse é um bom tema a ser debatido. Você já refletiu sobre este assunto e como ele impacta a comunidade TEA? Deixe sua opinião nos comentários! 

 

—-

 

Quer se aprofundar mais neste assunto? Fica a dica: 

Portal Gaia: reúne um conjunto de recomendações para ajudar desenvolvedores de softwares e educadores digitais a entender melhor como desenvolver websites mais adequados às necessidades de crianças autistas com foco no uso de dispositivos multitoque. Vale a pena conferir.

 

Movimento Web para todos: é um ponto de encontro entre as organizações, desenvolvedores e pessoas com deficiência com o objetivo de mobilizar a sociedade para a causa da acessibilidade digital, e contribuir para transformar a web brasileira em um ambiente inclusivo para todos. 

 

—-

 

É um fato: a tecnologia pode ser uma grande aliada para as pessoas dentro do espectro autista e para todos que convivem com elas.

 

Conte com o bHave! 

O bHave é o software criado especialmente para Análise do Comportamento Aplicada ao autismo, com o mínimo de cliques entre aplicação e resultados. 

 

Nossa plataforma auxilia os terapeutas em seu dia a dia, ao gerar automaticamente gráficos de desempenho e relatórios ao final de um atendimento, oferecendo mais praticidade e agilidade. 

 

É um terapeuta e quer saber mais sobre como usar o bHave no seu dia a dia? 

 

Nosso time de especialistas está pronto para te fazer uma demonstração. Clique aqui e fale conosco!